segunda-feira, 22 de julho de 2013

Os estudantes internacionais estão se adaptando a Coreia?

Para os que estão interessados em vir estudar na Coreia, leiam esse artigo publicado pelo Korea Times.

NÃO ME PERGUNTEM SOBRE TRADUÇÃO OU SOBRE A MINHA OPINIÃO.

[Voice] Are international students adapting to Korea?

With the government aiming for 200,000 by 2020...

The number of students from abroad choosing to study in Korea has risen considerably in recent years as the country has become increasingly internationalized. 

There were almost 90,000 foreign exchange students in the country in 2011, according to the Ministry of Education, Science and Technology. The ministry has sought to encourage the trend, setting a target of 200,000 students in the country by 2020 as part of efforts to transform Korea into an “educational hub” of Asia. 

The interest in Korea as a place to study over the last decade would seem to give the government reason to be optimistic about reaching its goal. Korea had fewer than 17,000 international students in 2004. 

But the arrival of students from more than 170 different countries has presented its own challenges, from how well foreign students adapt to Korean life and are accepted, to questionable admission procedures from unscrupulous universities and issues surrounding coursework and student support.

Support
The National Institute for International Education Development, operated under the Education Ministry, is the principal agency for the recruitment and support of international students.

Lee Byeong-yun, director of the International Student Support Team at NIIED, said that the organization provided substantial support to international students in the form of financial assistance, counseling and information about Korea. 

“One of the first ways that we provide support is we give scholarships to students who also fund their own studies,” said Lee through a written statement. “They don’t have financial support when they come here but they receive either high scores or their attitude or behavior is really good and they have been recommended by people at the university as being excellent students.” Last year some 200 students received the scholarship and 400 students are receiving it this year, he noted.

But perceptions of Korean academia don’t always match the reality encountered by international students, according to Sara Rai, the manager of Korea International Student Support Association.

“International students, mostly under Korean government scholarships, who chose Korea over other nations complain that they feel duped. Before they came to Korea, they were told most of the classes related to their major would be conducted in English. Once they were here, the situation was just the opposite,” said Rai. 

As a result of the language barrier, their academic performance suffers, she said.

“Even though they are required to take Korean language for a year or more, it is not good enough to understand a university level lecture on specialized topics like IT or molecular biology,” Rai said. “They do not learn or they learn very little about the subject matter.”

When problems do arise, Rai said, there may be few avenues for recourse.

“Sometimes the so-called professors lack proper teaching methods or even proper knowledge on the subject matter,” she said. 

“Professors have full authority on grading. Often, when students ask for feedback on grades or a grade to be rechecked, students are often told to not question the professor. There is no higher authority to file formal complaints. Students are given very few rights and outlets to discuss grievances and wrongdoings by professors.”
Foreign exchange students of Tongmyong University in Busan eat samgyetang as part of “Global Samgyetang Day” to introduce foreigners to Korean food. (Yonhap News)

Adjustment
Not all challenges are academic or financial in nature. Some international students suffer general adjustment issues such as culture shock or homesickness or difficulties in changing their visa status. 

Lee said that the NIIED provided information about Korea in 11 languages on its website and also offered in-person counseling in six languages. He said the organization had provided counseling to more than 10,000 students last year, both in person and through its website.

“This includes general questions about Korea, about living in Korea, about studying, applying online, every single question you can think of before coming to Korea or even living here,” said Lee. 

Support doesn’t cease with the end of university life. Lee said that NIIED made efforts to help students find employment after graduation.

“We host a study in Korea fair. There is where NIIED officials go abroad to say China or Vietnam and they offer these study in Korea opportunities and they tell students about the different businesses that they can work for … and what sort of eligibility requirements they would have to fulfill.”

Universities may also have their own internal support frameworks. A counselor and psychologist at one of Seoul’s most prestigious universities said that she usually sees 2-3 foreign students a semester for varied reasons.

“It could be difficulties of cultural differences but it’s not that significant,” she said on condition of anonymity. “Sometimes they have a hard time with their partners or they come and tell me about being homesick, etc.”

She acknowledged that studying abroad presented challenges, something she knew from her own experience as an exchange student in Europe. But she encouraged international students to make the most of the opportunity, and said that Koreans generally did their best to accommodate foreigners. 

“To spend a certain period studying in another country has two different sides, one exciting and with new chances, the other difficulties with language and culture,” she said. 

“These difficulties were not always only negative but also could make my life very rich and interesting. Foreign students should use their new chances. I also had quite a tough time in Europe when I was studying there. But after all now I think I did my best and it was a golden period of my life. We Koreans are normally very kind and curious to foreigners.” 

Abuse
Stories of poor treatment of international students by staff or other students are not unheard of, however. In May, The Korea Herald reported on the emergence of an online video showing a Gyeongsang National University professor calling two Indonesian students “not human” and a “low animal.” 

One Iranian exchange student at a major university who spoke to The Korea Herald on condition of anonymity claimed that he and his classmates had been repeatedly subjected to physical and verbal abuse by a professor.

“I’ve been scolded several times by (my) professor for very nonsensical reasons, both alone in his room and in front of other students. Once I fainted and collapsed due to high stress. Once he was scolding me continuously for six hours in his room,” said the master’s student, adding that eight of his fellow students had dropped out of his class because of the abuse. 

“Once when I showed professor a paper from a reputable journal which was against his thought, he tore that paper (up). In such a stressful atmosphere … how can students be successful?” 

The student said that he would drop out of the course if it wasn’t for the money he received that helped him support his family.

Despite the obstacles, however, Rai also acknowledged that international students bore some responsibility for adjusting to Korean life.

“I do think students do bear some responsibility,” she said. “Students need to research and study about Korea and its culture rather than just pack up and follow their fantasy based on Korean dramas and pop culture. 

“It seems like the expectations they had of a highly developed, educated and open society was in vast contrast with the reality. The language barrier, food, weather and rigid Korean culture can easily isolate a lone soul whose world is his dorm room and research lab.”

By John Power (john.power@heraldcorp.com)


Readers’ voice
International students...
Korea needs exchange students more than they need us. The first thing is to make a good first impression, and that means picking them up at the airport and getting them safely to the school dorm no matter the time. And when they leave? Do the very same. Some schools do that, but a lot do not.

Second, no dorm room should have only Koreans, but mix each room with exchange students so that they can come to know and understand each other as a person ― a human being.

They need to be given a chance to buy health insurance or have it provided for them. They need a map of the school with the location of the building in English along with room numbers and how to get around school.

They need a book with all the phone numbers (offices such as academic affairs, nurse), discount places they can visit with their school ID, how to get a T-Money card, a map in English of the bus and subway systems and so on. They also need to be given, as a good-will statement, a toothbrush, toothpaste, soap, shampoo and so on because they are pretty tired and sure don’t need to start looking for these things.

Then they should be given a tour of the school with questions answered as they go. They should be taken to discount stores where they can buy blankets, pillows, clothes and shoes, and taken to the bank and given help in setting up a bank account for money transfers along with getting an ATM card.

The Chinese students have to have $10,000 in a bank account before they can come, but the problem is that all the family comes together to make up the $10,000. But when the student arrives, they pay the money back, leaving the students with no income, so they have to work in factories. If they are unable to find work, many students live on 1,300 won a day. 

They need to be given jobs at the school. For example, if you have five people working in an office, there should be an exchange student in each and every office, not only to help them but to have Koreans speak English for their future.

We have about 8-14 people working in the Academic Affairs Office and only one person can speak everyday English. If he is out, what do exchange students or Western professors do if they need help? We need more exchange students working there who can speak English and Chinese. We need people who answer the phone to be able to speak English and have the manners to not hang up. 

Our exchange students should be able to get on the university bulletin board in English if they want to. And all classes have to be in English, because you can’t start a student learning Korean numbers and then put them into a university class and think they will learn anything. They don’t need 6-9 p.m. for Korean classes. They came to learn new ideals, to have an adventure. Making or pushing them to learn Korean … They can’t. Learning a new language is very hard.

And you need a person to be in charge of them who has lived in other countries, knows how it feels and understands the frustrations of being away from home: family, weather and so on. There should be a meeting once a week with each exchange student, and the academic affairs office must learn that they are there to serve exchange students and Western professors, to be helpful.

― Edward F. Burkett, senior English professor, Pyeongtaek University
I am from India and I did my masters and M.Phil. at Jawaharlal Nehru University New Delhi. For my M.Phil. I selected Korean studies and got a Korean government fellowship in 1997 and came to Korea. I did my Ph.D. at the political science department of Seoul National University and left for India in 2004.

In India, from 2004 to present day I have taught Korean history and politics, and worked in Korea-related jobs at Oracle, HP-Mphasis and Samsung Electro Mechanics in Bangalore. Presently, I am working with KOTRA India and I am a team member for establishing the KOTRA office in Bangalore, my hometown.

Because I got a chance to come to Korea, study in Korea and interact with my department, I could establish the good, strong roots of Korean values which are the same in India.

I thank the National Institute for International Education Development, which looked after me so well during my stay in Korea. Now in Bangalore, we are the ambassadors for Korea to Indian IT companies.

We reciprocally help Korean companies and Indian companies because of the exchange scholarships. If they did not exist, the root of Korea would not have taken hold in my heart.

Whenever Korean professors, journalists, students and missionaries come, we help voluntarily because of the roots set down by exchange students.

So India and Korea should do more and more exchange student programs.

― T.S. Chandrashekar, Korea Trade Promotion Agency, Bangalore, India

Returning lost artifacts ...

It is well known that there are about 75,000 “lost” Korean artifacts spread around the globe. Some will never, and should not be returned to Korea, being gifts, diplomatic exchanges, legal and honest purchases, and so on. There are significant positive outcomes of foreign collections of Korean artifacts. These exhibits may be the only tool to educate non-Koreans about Korea.

The Korean government has already set up a kind of “task force” to help locate and negotiate “stolen and smuggled” artifacts. 

I would suggest the return of artifacts through wills. Particularly in the United States, Japan and France, there are large private collectors who have amassed impressive Korean art collections. Some of these collectors could perhaps be approached with the option of “giving back” some of their collection to the National Museum of Korea or a different institution within Korea. The encounter would have to be cordial, respectful and a clear acknowledgement of their gift. 

Recognizing their intent to return Korean artifacts should be commended and honored. There is little doubt that many of the artifacts taken from Korea during the 20th century in all likelihood would have fared much worse if left in Korea. Even more precious artifacts and heritage would have been lost. By all means threats to investigate these collectors should not be spoken; instead using their wills to return artifacts could potentially yield far better results.

I just recently read an article in which a prominent Korea collector in Japan used his will to donate all his collection to the National Museum of Japan. I wonder, did a Korean official ever approach this man about such a donation to Korea? I suspect not.

Fonte: http://www.koreaherald.com/view.php?ud=20130715000793

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Já há algum tempo (na época em que já existia internet "de gente" no Brasil), comecei a fazer uso dos torrents, famosos arquivos que usam o protocolo P2P para o benefício geral desse mundão de Deus. E há algum tempo (talvez desde que cheguei na Coreia) encontrei um site chamado AvistaZ. Esse site disponibiliza simplesmente tudo de mais novo que existe nas tabelas de filmes asiáticos, sem excessão ao coreano.
No tempo em que me registrei, puxei um filmezinho e parei. Como o perfil do usuário é mantido mediante a média de seeders e leechers, ele acabou ficando no vermelho e quase desativado.
Faz umas duas ou três semanas que resolvi dar uma idazinha no site novamente, na vontade quase maluca de ir atrás de um trailer que tinha visto na televisão coreana e não existia naquele antigo site que já até postei aqui (mysoju.com).
Então, depois de hoje, resolvi que vou também atualizá-los com mais uma forma de conseguir o que querem, sem a desvantagem de tê-lo como streaming (isto é, para os colecionadores de plantão, vocês poderão baixar o arquivo e fazer um dvd ou sei lá).
Mas na verdade, a minha vontade é ir mais além e sugerir, além de comentar, três ou quatro filmes que eu vi e que recomendaria a vocês dar uma espiada.

1. I am a Dad (난 아빠다)
Eu, na verdade, baixei o filme só pela sinopse oferecida no site de torrent, mesmo. Não tinha nenhuma expectativa, já que nunca tinha ouvido falar nele, exceto por um cartaz que já tinha visto em um cinema aleatório dessa Coreia.
Esse filme mostra que não é só o Brasil que é cheio dos esquemas brutos e corrompidos, mas que é como uns coreanos me dizem: "Olha, Coreia e Brasil são mais parecidos do que você pensa!". E realmente são. Esse filme mostra um pouco do que existe na Coreia: gangues, muita propina, polícia corrupta e sem noção. Mas o mais engraçado de tudo é que esse filme me deu a impressão de que quem escreveu a história tem uma cabeça meio de Maquiavel; isto é, os fins justificam os meios. Não vou sacanear quem queira ver o filme, por isso não vou ir além disso sobre um possível plot.
Mas para quem não sabe BOGAS sobre a Coreia ou não vive aqui, algumas cenas desse filme são mais do que normais: o policial corrupto e o gordinho beberem, por exemplo, até de madruga e depois de os dois já estarem trê-bados, o corrupto ainda faz um convite pra irem a um outro bar qualquer e tomar mais. Típico coreano. Essa galera de olhos puxados parece que não se dá por vencida... tem que morrer no álcool mesmo.
E sim, por mais esquisito que pareça, existem gangues na Coreia. Tanto coreanas, quanto "gringas" (formada por grupos de estrangeiros residentes aqui). Normalmente, os "estranja" são do centro ou sudeste asiático, tais como Vietnã, Usbequistão, Bangladesh, além, claro dos japoneses, chineses e russos (como esquecê-los, não é mesmo?). Esses dias eu mesmo dei de cara com uma gangue, mas... para o meu "azar", nem sabia que era uma. Estava perto da estação de metrô, e vi uma van meio que de polícia, onde tocava umas músicas meio velhinhas. Comecei a olhar, mas nem vi as pessoas por lá. E eis que meu amigo me avisa para não olhar muito, porque são "gangsters". Na verdade, era a primeira vez que eu tinha visto isso na Coreia... então depois  que ele falou para eu não olhar, aí sim que eu fiquei curioso e procurava insistentemente por alguém parecido com o que se vÊ nos filmes coreanos, com tacos de baseball e tudo o mais que tiverem direito.

Bem, eu achei o filme um tanto bom pra assistir com uma pipoquinha ou pizza, nada de anormal. Quando fui procurar sobre o filme, descobri que nego meteu o pau e achou o filme horrível. Ainda bem que eu só li as críticas depois que vi, porque eu não achei o filme tão ruim. Se essa galera "gringa" visse os filmes brasileiros (tirando as mega-produções já conhecidas mundo afora), não teria nem como comparar. Mas enfim... eu nem achei tão ruim assim. Recomendo vê-lo, desde que você não seja um chato com filmes.

("Na-neun... appa-da!")

2. 71: Into the Fire
Esse filme me deu uma boa impressão também pela sinopse oferecida lá naquele site. Na verdade, só depois de vê-lo, que eu fui perceber que um dos personagens principais era um tal de TOP, um "cantor" desses "grupos musicais" extremamente "machos" que (ainda) existem na Coreia. Mas de resto, o filme é bem legalzinho. Não dou, obviamente, nota para as aparições, até porque eu curto muitos filmes bostas; então sou incapaz de ranquear muito bem. Mas só pelo filme ser baseado em fatos reais, já me faz entrar mais no espírito da coisa e pensar no que essa guerra bisonha foi para os pobres meninos da península. Eu mesmo comecei a pensar um pouco e me colocar no lugar destes meninos, que se fosse conosco, brasileiros, estariam somente jogando uma pelada,  pegando uma praia, enquanto os pobres estavam tentando defender uma ideologia e fazer tentar reinar a paz sobre aquela terra. Mas como o bem sempre vence, os ratos cruéis dos comunistas morrem. Óbvio.
Eu gostei mesmo é do estilão do "capitalista rebelde", que não tem cara nem nada de garoto de 17 órfão. Beleza... nem eu acredito! 
Mas a história é boa. E, como já disse, baseada em fatos reais. Vale dar uma olhada, sem desistir no meio do caminho!



3. Memories of a Murder
Finalmente, a razão de eu ter chegado até o fim da internet atrás de filmes coreanos e ter baixado e visto todos esses acima antes de finalmente executar este aqui.
Depois de ter visto o filme em questão na televisão (o trailer, animal), eu nem dei muita pinta. Mas aí, depois, eu estava sem fazer nada e vi uma entrevista de um professor gringo de cinema da Kyunghee Uni falando que o filme coreano que ele mais gosta é exatamente o terceiro da lista desse post. Aí pronto, né. Se o cara falou que é o que mais gostou, não pode ser uma bosta qualquer... apesar de que essa galera tem fama de consumir alucinógenos; portanto, não seria tão decepcionante saber que o filme poderia ter uma chance altíssima de ser uma droga (hehe). Mas nem foi! Pelo contrário... eu particularmente gostei demais, exceto pelo final. Mas na verdade é o que menos vale, pois o filme prende tanta a atenção e, por ser baseado em fatos reais, eu acabei ficando com raiva da situação em si, e não do final cinematográfico. Um filme muito bom para ver com pipoquinha, mas que não pode deixar de grudar o olho. O engraçado é que, mesmo o filme mostrando uma Coreia dos anos 1980, tirando a tecnologia, a "roça" não mudou lá essas coisas. Ainda tem muito arrozeiro daquele jeitinho do filme, com muitos becos e lugarse pra afogar as mágoas.
Baixa com gosto que você não vai se arrepender! :)




4. The Frontline
O último da série de quatro, esse eu acabei de assistir. "Não sei por quê", mas eu tenho muito interesse em assuntos que nenhum coreano (ou quase nenhum) tem interesse, como, por exemplo, Coreia do Norte e a Guerra da Coreia. Obviamente, ter interesse no assunto não quer dizer que eu seja um profundo conhecedor do mesmo. Já cansei de ouvir ou me decepcionar com citações e situações que aconteceram sobre esses dois tópicos.
E eu gostei muito de uma crítica lida por mim em um site terceiro, em que você deveria ler depois (tá, vá... já que você está pirando de curiosidade, clica antes de ver o filme!) para saber mais detalhes, assim como refletir um pouco sobre as (possíveis) razões deste filme ter sido escolhido pelos coreanos para representá-los no Oscar de 2012 na categoria Melhor Filme Estrangeiro.
Realmente, filme de guerra é de apertar o coração.
Mas o pior é uma das últimas falas de um dos principais personagens, na qual ele pergunta qual o sentido da guerra, para o norte-coreano, quem havia capturado 3 anos atrás. A resposta foi, no mínimo, entristecedora: "Eu sabia, mas esqueci.". Isto é: quem estava realmente interessado em guerrear não eram os coreanos, e sim as duas "forças mundiais"
Ainda tem as partes bem "coreanas-viadinhas", que não duvido que aconteça em outros lugares desse mundão perdido. Uma delas é a vontade sem noção dos coreanos homens se travestirem, mesmo que seja por brincadeira. Não sei por qual razão existe essa tara, mas passa até na televisão um programa de humor em que os comediantes estão o tempo todo travestidos. Além deles, em universidades sempre tem um dia em que os estudantes do sexo masculinos se vestem como mulheres. Vá entender o que se passa na cabeça dessa galera. Hahaha o.O
Eu recomendo com todas as forças possíveis que vocês procurem esse filme e vejam quando tiverem tempo para nem poderem parar o filme para atender um mero telefonema.


Bem, acho que esses quatro filmes estão de bom tamanho para o que eu tenho visto ultimamente. Existem outros filmes, mas são meio podres ou de um estilo que eu não gosto. Então, preferi nem citá-los.
De resto, já sabem... vão no site, se inscrevam, e doem "bonus" para o usuário RINGOUCB (esse é o meu perfil!). 

Obrigado e Deus lhes pague :)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Vivo

Este é o mais novo blog ressurreto na face desta terra.
Durante aproximadamente um ano, eu deixei de postar aqui, por várias razões que já vem sido dadas desde a época em que eu comecei a escrever: PREGUIÇA. Essa doença me afetou brutalmente, impedindo este de escrever uma palavra que seja.
Mas hoje resolvi tirar todo o pó, que deve estar na 13a camada, assim como vou ter que fazer em mais uma mudança de vila que está preste a acontecer.
A partir de hoje, vou colocar em dia tudo de relevante que aconteceu nestes últimos doze meses do ano, principalmente relacionado ao segundo maior fator de impedimento de posts serem registrados neste blog: a bagaceira do MESTRADO.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Fotos de um inverno comprido na Universidade

Hoje, sexta-feira, para amenizar os ânimos que andam meio a flor da pele nesses tempos, resolvi postar de leve.
Uma sessão fotográfica do último inverno, antes de eu dar uma pausa bruta de 5 semanas por causa de uma viagem ao Sudeste Asiático (que por falar nisso, me salvou desse inverno animal).

Apresento a vocês a universidade em que eu estudo: Korea University of Technology and Education (em coreano: 한국기술교육대학교). Como eu sou um cara insatisfeito desde nascença, não vou falar nada dela, senão eu vou soltar MUITA merda no ventilador. Então, se contentem com as fotos.

Vale lembrar que a universidade está localizada no melhor lugar do mundo: o meio do nada, quase que literalmente. Aos que não conhecem, a chamada KUT se localiza em Cheonan (천안), uma cidade pequenina, porém bastante industrializada, cerca de 150 kilômetros de distância da minha amada Seul. Está perto de um dos lugares mais conhecidos dos coreanos que lembram da Guerra e dos GIs: Pyeongtaek (평택). Mas mesmo assim, depois de chegar na estação de trem da cidade, não é possível ter noção de onde se encontra a universidade. Isto porque a pessoa tem que pegar um ônibus público que demora nada mais, nada menos, que QUARENTA MINUTOS para chegar até o destino final (a universidade). Pense num lugar longe. Na verdade, pega-se o ônibus que vai para uma vila (sim, pelo menos é esse a tradução) perto da cidade. Então, durante as minhas idas, é muito divertido ver o matão, plantação de arroz, mini-vilas que me lembra os anos 60 da Coreia. É imensa a disparidade econômica entre essas micro-vilas e Seul, por exemplo. Até podemos comparar com Cheonan. Mas enfim...

aí está:

(De Seul à Cheonan, via metrô)

Como eu vivo em Seul, esse é o caminho que eu faço, pelo menos, uma vez por semana. Apesar de o trajeto demorar DUAS HORAS, é aguentável. Ainda mais depois de 3 semestres fazendo isso, praticamente. 괜찮아! ^^

(Baldeando pelo metrô)

A estação de Geumjeong, onde eu troco da linha 4 para a linha 1. Essa portinha é boa para os coreanos bêbados, que adoram morrer nas linhas do metrô! :P

(Lugar na Universidade para falar inglês)

Aí está o campão principal, que só é "menos feio" durante o verão. Durante o inverno, fica coberto de neve OU com a grama seca. Ao fundo, o GEC, onde eu trabalhei forçando os coreanos a falarem inglês comigo - nem precisa comentar que era uma situação PENOSA.

(Administração da Universidade)

(Lugar para comprar livros, banco, coffee shop, salão de cabelo, restaurante, etc)

(Onde a coreanada fuma - ao fundo, o restaurante universitário)

(본부관 - Administração)

(A entrada principal da universidade)

A entrada principal da universidade é bem simples, nada ao estilo grego como o da Kyunghee ou monumental como o da Seoul National.


(Shuttle bus)

Se eu tenho sorte, eu consigo pegar esse ônibus DE GRAÇA que vai da universidade e deixa a galera nas cidades de Cheonan e Cheongju.

(1관)

Um dos prédios que a galera aprende alguma coisa na vida. Só tive 3 aulas de coreano neste aí. O resto, foi só no 3관 e 4관.

(Avenida principal)

Ninguém na pista... também, quem manda ir pra universidade no dia 31 de Dezembro! Só meu orientador mesmo pra fazer uma besteira dessa (meu e dos outros coreanos de engenharia que não tem vida própria)


(Entrada)

O que há nos arredores da universidade: alguns apartamentos para estudantes morarem, montanhas para serem escaladas pelos tiozinhos e ... só isso, mesmo.

(Mario World)

Essas plantas já foram jardinadas para imitar o Super Mario. E com neve, ficam mais bonitinhas ainda! :)

(Welcome)

Sim, esse é o mega-portão que recepciona os felicitados que entram na universidade. Baita de um portão, hein... vergonha nacional, frente à outros aqui na Coreia! :D

(Recepcionando)

Taí... até eu, quando cheguei primeira vez na universidade, não percebi que essa era a entrada da universidade! o.O

(Parada de ônibus)

Aí, do outro lado da universidade. E uma menina passando um frio animal só pra mostrar as pernas de chopstick! :)

(7 Eleven)

Acho que um dos centros culturais aqui do lado da universidade, o 7 Eleven, Buy the Way e 김밥천국 fazem "mó sucesso"! Tristeza isso, viu! :S

(Rua principal na frente da uni)

Negócio movimentado...

(Mais do mesmo)

(Arroz, arroz e arroz)

Isso é o que se vê atrás da parada de ônibus: plantações de arroz. Ficou feliz onde eu estudo? Por isso que a galera aqui ganha tanto prêmio de estudos... não tem nenhuma diversão aqui! :D

(Apts)

Uns apartamentos do lado da parada de ônibus... só pra falar que não é tudo arroz!

(Arroz 2x)

Arroooooooooooizal!!!!

(Montanha)

Até hoje eu não sei o nome dessa montanha... mas todos os tiozinhos e coreanos em geral que vivem nessa área já fizeram hiking nela.

(Drama)

É o drama de só ter uma linha de busão que liga a universidade à civilização.

Bem, é isso, galere. Acho que agora vocês vão pensar menos mal da minha pessoa, que reclama até pelos cotovelos! :D

Abraços

quarta-feira, 23 de março de 2011

Conceito de privacidade updated

Tem quase três semanas que estava tentando engatar um tópico aqui, mas a preguiça não me deixava (apesar de que o rascunho já estava mais da metade pronta).

Até que eu tive que interromper para falar de outras coisas que eu julguei mais importante jogar no ventilador coreano.

Tem um tempo que eu analiso, sem me conter de insatisfação, alguns fatores como privacidade, "porrada verbal" e outras coisas que não é de meu costume ver em Brasília.

Eu estava andando de trem pela Coreia afora, voltando para Seul. Vocês não devem imaginar o que há dentro de um simples trem intermunicipal (no caso da Coreia, inter-provincial?). Pois então eu vou contar pra vocês. No caso do Mugungwha, o mais barato dos que rodam pela Coreia, tem um vagão especial que conta com duas micro-salas com karaokê, quatro computadores com acesso a internet, dois fliperamas e ainda um barzinho, onde você pode comprar seu arrozinho com kimchi, coca-cola ou até mesmo cerveja. Enfim, é uma coisa de gente "civilizada". Acho que no Brasil esse negócio não funcionaria muito bem não. Mas enfim, vamos ao que interessa.

(computadores no vagão - custa míseros R$3,00/h! - funcionaria no Brasil? :P)

(O vagão "especial" com seus fliperamas, karaokês e computadores)

(felicidade no balcão de snacks)

Nessa cabine estilosa, presenciei dois fatos de, no mínimo, deixar assustado.
Não sei se todos sabem que o sangue dos coreanos ferve rapidinho, mas os caras realmente são cabeça quente. Principalmente no que se refere à honra.
Eu estava lá sentado, numa boa, ouvindo meu iPod Touch, com umas músicas bem altas. De repente, comecei a ver uma senhora (apelidada por mim de Kim) falar em um tom de voz um pouco alto. Se até eu, ouvindo música no volume máximo, consegui ouvir, pense em como ela falou. Deu uns gritos para um tiozinho, apelidado de Lee. Eu não tinha a mínima idéia do que falavam, porque eu seguia como meu iPod. Eu só ouvi uns "Senhor Lee! Senhor Lee" (아저씨!아저씨!).. e pensei que não era lá muita coisa. De repente, o que era um grito começou a virar briga verbal.

(a merda estava lotada naquele dia, assim como nessa foto)

Eu, com uma curiosidade mórbida, tirei os fones do ouvido e fiquei acompanhando o caso. Quando eu o fiz, o pau já estava comendo. O que eu entendi da história era o seguinte: tinha uma gringa, negra, que estava com uma baita bagagem de mão - vou chamá-la por Bailey. E nessa parte do trem, existem uns bancos como se fossem de balcão. Ela, que não era das mais magras + bagagem gigante, estava ocupando um lugar animal nesses assentos de balcão. Dava QUASE duas pessoas. Mas até aí tudo bem. O problema é que o Lee começou a falar com a senhora Bailey em coreano, e supostamente coisas muito feias. Provavelmente, ele estava querendo sentar por lá, mas como ela estava sentando em um espaço muito grande, ele ficou meio raivosinho. Pouco depois, Bailey avisou que ia sair do banco, porque a estação em que ela iria sair era a próxima. Então, o tiozinho, só de provocação, falou que ela poderia ficar e ele sentou no chão. Ela levantou, pediu para ele se sentar no banco (pela razão citada) e foi embora. A tia Kim começou falar com ele "como pode você falar com ela desse jeito!? Você sabe que ela é gringa e não tá entendendo você! Por que você fez isso!?". Bem, é uma pena que muitas vezes palavras não são capazes de exprimir fielmente o sentimento das ações. Mas a Kim estava praticamente dando um sabão no Lee. Ele, que PARECIA meio bêbado, ficou argumentando, mas de boa, sem levantar a voz. Eu não entendi muito bem o que ele falou, mas logo o marido dela, que estava junto, começou a falar com ele também. Não me lembro como uma paradinha banal chegou a esse ponto, mas de repente o Lee pira de vez e xinga o senhor Kim de fdp. Aaaaaaaaaah, meu irmão! Ser chamado de cachorro aqui é um xingamento DAQUELES (um pouco pior que fdp). O Kim sai da cadeira dele, chega junto e firme no Lee, e começa a perguntar, em voz de ameaça, se ele era o fdp da história. Nossa, o pau começou a rolar, e a tia Kim grita para o balconista chamar o supervisor do trem. Pouco depois, ele chegando, a Kim começa a "dedurar" o Lee por seu "mau comportamento", em voz bastante alta. Naquele momento, pensei "Caramba, que para maluca! Vou registrar isso!". Saquei meu celular - que é horrível - e na cara dura comecei a filmar o acontecimento. Eu estava parado, filmando de onde eu estava, não fazendo nada para ninguém. O supervisor, portanto, começou a pagar mó sabão para o senhor Lee. Ele, só de cabeça baixa e não tentando contradizer muito, falava pouco. Eu não entendia absolutamente quase nada do que ele dizia - só posso dizer que o supervisor mandou ele agir com civilidade ou ele teria que se retirar do vagão. Então, não mais que de repente, um coreano que estava a alguns centímetros da minha pessoa se desloca até mim e diz: "Hey, privacy, ok!?" e, com um toque "sutil", desliga o meu celular (não é exatamente desligar. Para quem tem celular do estilo slide, ele só foi "slided" pra baixo, ficando no standby). Olhei pra ele, com cara de: "que diabos você está fazendo, meu filho?", mas sem direcionar uma palavra para o retardado - e depois, com cara de bunda, fiquei só vendo o desdobramento da história.
Para o meu azar, o retardado do coreano chato que desligou o meu celular, resolveu "dedurar a minha ação" ao supervisor. Simplesmente o chamou e disse "esse gringo está filmando o que aconteceu, mas é privado". Não deu outra. O empregado da KORAIL mandou eu deletar o vídeo que continha a parada. Eu, revoltado com essa atitude sem noção, falei: "Ok.. do it yourself". No final, o supervisor me pagou um sabão e ainda tive os meus vídeos apagados.

Agora, queria saber uma coisa.
Que privacidade é essa em um ambiente público? Essa não é a primeira vez que eu questiono essa questão para amigos e para o meu subconsciente, naquelas conversas que normalmente os loucos tem consigo mesmos.
Na minha humilde opinião, se eu tivesse filmando alguém tomando banho ou a casa de alguém, algo que realmente seja privado, eu entenderia. Mas putz... os velhinhos que fazem o escândalo, soltam a "porrada verbal", bem escandalosos, e eu que estou fazendo merda? Ah, por favor, viu.
Eu tenho minhas teorias, bem mal-feitas, que funcionariam para argumentar essa atitude estúpida do coreano sem noção.
Uma delas é a que fará com que os leitores atirem pedras contra mim. Mas mesmo assim, vou falar.
Os coreanos tem um sentimento nacionalista animal, para o bem e para o mau. Isso é fato, desde que você conviva minimamente com um coreano. Portanto, tem orgulho de sua cultura, sociedade, etc.
Logo, um vídeo com chances de acabar sendo colocado no Youtube poderia desmistificar a lenda de que coreano é super-gente boa, sem stress, muito educado e outras coisas.
Além do mais, esse vídeo poderia "desgraçar" a vida de alguém, já que as pessoas não teriam seus rostos cobertos. Como os coreanos são obsessivos com a "Imagem" de uma pessoa - em que tomam a frase "Imagem é tudo" quase ao pé da letra - é bem possível imaginar um escândalo provocado por um vídeo mínimo espalhado pelo youtube.

Agora...
por favor, coreanos, não sejam hipócritas, ok?
Se querem fazer merda e não serem expostos, que não o façam em ambiente público, tá? :)
Agora foi dado o recado.

[pissed off mode OFF]

quinta-feira, 3 de março de 2011

Coreia do Norte sim, senhor...

Como é sabido pelo mundo todo, até mesmo pelos mais roceiros, que não são muito "globais", existem duas Coreias: uma não tão famosa, a do Sul, e outra sempre citada, a do Norte.
Pra variar, todo mundo acha que nós, seres viventes na "Coreia", residimos na Coreia do Norte. O hype da Coreia do Norte é tanto que os sulistas pegam pesado com o nation branding pra se mostrarem ao mundo.

(Isso é que é estratégia de branding! Esses marketeiros norte-coreanos me dão muito orgulho! Hehe)

Então... quem mora aqui, sempre recebe aquelas perguntinhas meio encapetadas sobre a cultura, a mulherada e... A COREIA DO NORTE. Ainda mais quando rola aquelas provocações enfezadas por parte do mister Kim. Aí sim o mundo inteiro acha que o pau vai comer (tá bom, que ele comeu em novembro de 2010, mas não foi tão terrorista como a imprensa pintou) e o negócio do regime Kimista volta a ser tópico da Discovery, CNN, BBC e o resto dessa galera que quer jogar as merdas no ventilador.

Eu não sou dessa galera que senta na cadeira e discute quem vive e quem morre (galera das políticas), direitos humanos ou relações internacionais, mas eu me interesso pelo assunto. O problema é que, desde o meio de dezembro, mesmo conhecendo algo, comecei a ficar meio obsecado pela parada.
Comecei a ver vários documentários amadores sobre o assunto, e atrossidades mais bizonhas do que eu sequer imaginava. Parece que fuçar em política é que nem merda ou corpo podre: quanto mais revira, mais fede. E não é só o comunismo que fede não (isso porque eu tinha uns pensamentos meio vermelhos quando estava no 2o grau!)... olha o estrago que o WikiLeaks fez no Ocidente "democrático e honesto". Tem safado sentando na boneca em tudo quanto é lugar.
Mesmo sabendo das atrossidades que são "patrocinadas" pelas potências "donas da verdade" (EUA+Europa) ao longo do tempo, a dinastia Kim me assustou com sua insensibilidade ou incompaixão para com o próximo.
Os Kims sabem como fazer uma merda em grande estilo. Sério.

(O Kim fala que nem o Cebolinha nesse filme, muito bom! Dá-lhe Kiiiiim!)

A série de vídeos que eu tenho só podem ser vistos por maiores de 18 anos, com sangue azul e sem cegueira americana-sem-noção.

1. Inside undercover in North Korea (National Geographic)



Esse doczinho produzido pela National Geographic (eu achava que eles só falavam de animais, vaquinhas, insetos...) foi o primeiro da minha era tarada-aficcionada pelos últimos "comunistas true" do mundo. Foi uma busca meio random que eu fiz no nosso querido deus Youtube, e acabei caindo na versão "resumida" que a BBC (Korea - Out of the North) e CNN fizeram.
A parada se trata da debandada norte-coreana com uma bela ajuda dos crentes sul-coreanos, que se sentiram no dever espiritual de resgatar aquela gente sofrida nas amarras Kim-jong-ilstas. O vídeo vai mostrando todo o processo de um "rebelde" tentar sair na mocó daquele país e se tornar um refugiado em alguma outra parte do mundo. Mas até o cara pegar a carteira "R", ele sofre. Alguns são pegos no caminho, na China ou no "quase yé-yé" (quem conhece o Sérgio Malandro, talvez seja capaz de entender o que eu quis dizer), atravessando alguma fronteira (inter-coreana ou chinesa). E se isso acontece, mermão, é um abraço... tem cada relato que dá calafrios só de pensar em estar naquela situação. Se o ser humano não morrer, ele vai para os campos de trabalho forçado (que, segundo guardas que escaparam de lá, o negócio é quase um campo de concentração, estilão aquele com nome estranho na Áustria dos nazistas) e toma uns esporros corporais e morais.
Enfim, o filme é só pra começar. É tipo um appetizer, só pra você ficar na angústia e pedir pra ver mais.
Extremamente recomendado por Gustavo, um cara das exatas que se anima com esses tópicos nada-a-ver.

Estrelas de recomendação gustaviana: 5

2. Children of the Secret State (Discovery Times)
Esse é o que me tirou do sério sobre o Tio Kim. Quando eu comecei a ver a situação da molecada inocente, pensei durante a sessão comunista: "Válhamedeus! Que merda é essa! Como pode um trosso desse e a galera deixar rolar?" O que me deixava na maior emoção era ver a maluquisse dos caras, entrando e saindo da Coreia na cara de pau (tá bom, nos DÓLARES de pau, também) só para mostrar as imagens que deixa o Kimzão mais doido do que já é.
Com tantas imagens fortes, não é preciso dizer que eu assisti a merda inteira umas duas ou três vezes. Esse sim é que pode-se chamar de documentário pra matar os "coração-mole" de plantão.

Estrelas de recomendação gustaviana: 5

3. Nuclear Nightmare - Understanding North Korea (Spotlight)
Esse é meio que de final, já, não muito direcionado para as coisas que mais me atormentara. Conta mais a velha história da carochinha - Guerra da Coreia, dinastia Kim, armamento nuclear, afrontas aos capitalistas, etc. Ele já traz mais aquela onda "Kim corno, você é o diabo em pessoa! Comunismo é do diabo! Os EUA é que estão certos!", jeito dos americanos alienarem a galera e imortalizarem o jeitão "democrático-liberal" que eles dizem ser.

Estrelas de recomendação gustaviana: 4

4. North Korea, a day in the life


Meio já em clima de apagar as luzes, já que é meio que o mais do mesmo, mas mostrando tudo de uma maneira bem entediosa.

Estrelas de recomendação gustaviana: 2

5. Welcome to North Korea
Também, uma parada mais do mesmo, com o mesmo scripting estilão história da carochinha.

Estrelas de recomendação gustaviana: 3

6. Don't tell my mother (I am in North Korea) - National Geographics Adventure
Esse é um doczito co-produzido pelos franceses da Canal+, num segmento mais para alívio, depois de uma sessão pesada de anti-comunismo pregado na maioria dos outros vídeos. Os comentários são bem engraçados, principalmente quando o cidadão é sarcástico com o guarda-costas dele. Algumas das coisas que me chamaram atenção foi quando um tiozinho raivoso seguidor do Kim tentou dar uma porrada no espanhol... além de uma sala para aprender a atirar nos americanos imperialistas... e um parque de diversões a la Kim. Para quem gosta de um sarcasmo e sacanagem, é uma boa dar uma olhada nesse. Mas não espere muita coisa para sua análise tipo historiadora ou político-científica. É só pra animar e falar: "Tô nem aí! Os americanos e russos que se virem para consertar a cagada que fizeram".

Estrelas de recomendação gustaviana: 5

Por enquanto é isso, apesar de estar procurando mais coisas relacionadas no youtube e torrents da vida. A minha busca está mais focada em como os norte-coreanos que se refugiaram na Coreia do Sul se sentem, porque eu vi e li que a maioria não consegue ter uma vida normal por aqui, mesmo ao lado dos "irmãos" deles. A cultura, totalmente diferente, além do controle do governo sobre tais (para que não corra o risco de se pensar que são espiões ou façam alguma abobrinha), cria uma barreira para a comodidade que eles poderiam ter. Apesar de eles serem todos iguais, eles ainda são tidos pela sociedade sul-coreana como diferentes (dialeto diferente, cabeça diferente, infância diferente), criando um certo repúdio por parte dos sulistas.

Para os malucos tarados em saber sobre a Coreia do Norte, vai dar uma olhada nesses vídeos e não fique mais mer perguntando se aqui é Coreia do Sul ou do Norte! Hehehe.

Fonte para downloads: http://www.thepiratebay.org - melhor fonte de torrents para esses vídeos.

No final, em uma busca googleística, acabei caindo nesse site pró-NK:http://www.yhchang.com/CUNNILINGUS_IN_NORTH_KOREA.html
engraçado!

Divirtam-se com o Kim!